• sessão online de terapia

    é sobre propósito ou “por quê eu blogo”

    meu gosto por milhares de coisas sempre atrapalhou um pouquinho na hora de decidir o que realmente iria fazer. precisei selecionar apenas alguns cursos, hábitos e hobbies que poderia continuar praticando. entretanto, as coisas não funcionaram tão bem como pensei: é praticamente impossível usar todos os minutos do dia (sim, minutos, cheguei a esse ponto). sempre soube que esse tipo de plano não daria certo. gosto de desafios porque sempre me motivaram a continuar tentando. até que não motivavam mais.

     

    PROPOSITO_PQ_BLOGO (3)

     

     

    assumo com todas as palavras: o limbo não é um lugar pra se estar. nem sei, ao certo, se deveria dizer que estava no limbo. de qualquer forma, parecia muito com a descrição que o nome da palavra diz ser: estado de indecisão, incerteza, indefinição + sua conotação: abismo. mesmo que eu fosse guiada pelas emoções e vontades internas para praticar certos hábitos, não era o suficiente. permanecia no limbo. num looping infinito. foi quando percebi: é tudo sobre propósito.

     

    depois de ler tantos textos da Maki de Mingo sobre o assunto, parece bobeira ter demorado tanto para “receber” esse mindblowing. ter conciência que cada ser humano tem uma trilha diferente, uma experência de vida que ensina as coisas em ordens e momentos distintos, fez parecer óbvio demais que é preciso ter propósito para suceder na vida. agora percebo quão prepotente fui. menosprezei a oportunidade de uma nova experiência só porque li sobre o assunto. a parte boa da história? aceitar os significados que coloquei dentro de mim sobre cada vontade de mudança; os hobbies que quero pra minha vida e, entender cada emoção associada a essas pequenas coisas contribuíram na descoberta do meu propósito: i wanna love and be alive – quero amar e estar viva.

     

     

    PROPOSITO_PQ_BLOGO (2)

     

     

    por todo lugar que passei, tentei passar sobre o quanto acho o ser humano e a natureza coisas magníficas. they’re at least wonderfully beautiful. essa admiração toda pelos seres nunca se esvaiu de mim, e nem quero que se vá. simultaneamente, acho incrível a complexidade com que nós, meros mortais, sentimos tantas coisas de maneiras tão únicas. não existe motivo para negar minha natureza apaixonada pela vida.

     

    mais do que amar os seres vivos, quero experimentar por completo o que é estar viva. se esta não fosse uma questão importante, não haveriam pensadores de todas as áreas acadêmicas discutindo sobre o tema. antes de questionar “será que estou vivendo ou apenas existindo”, quero aproveitar cada segundo.

     

    dentro de mim, junto a esse anseio gigantesco pelo “sentir”, vem também o sutil prazer em registrar e compartilhar. enquanto – infelizmente – existem pessoas postando falsas rotinas, mensagens e ideias, quero colocar na internet aquilo que espalha amor ou, no mínimo: honestidade, sinceridade e franqueza. não quero guardar as coisas boas apenas para o meu serzinho.

     

     

    PROPOSITO_PQ_BLOGO (1)

     

     

    estes hobbies e hábitos, pelas quais mencionei, no início do texto, são meus auxiliadores de o que é sentir na pele o que é estar viva. me entender como ser e não como máquina. conhecer os limites e ainda assim saber decidir o que fazer para se manter viva. se não for para estar vivo, por quê existir?

     

    Ψ

     

    escrever sem roteiro e sem direcionamento depois de mais de 2 meses é um pouco difícil. mas, senti tanta necessidade de falar mais sobre essa experiência que o texto apenas fluiu. diferentemente das últimas – quase todas – postagens, até fiz revisão do texto. ainda, preciso lembrar de que essa clareza na escrita – mesmo sendo subjetiva – não foi conquistada da noite pro dia, nem apenas com a inspiração + revisão. escrever vai muito além dessas duas coisas. houve todo um processo (sim, para chegar numa coisa tão simples mas que foi mindbllowing): páginas e páginas de diário, atenção em dobro à saúde emocional, muitas conversas com namorado, amigos e família, além de outras fontes – às quais sou grata:

     

    • Projeto Interdisciplinar focado nos Sentidos e Emoções, na Etec Carapicuíba (Curso de Comunicação Visual – Design Gráfico);
    • Projeto de Pesquisa Científica (relacionado ao jogo que estou desenvolvendo com meus amigos) na área das Emoções;
    • Leituras e leituras de psicologia comportamental, emoções, e especialmente o livro: Design Emocional (Norman), e,
    • Vídeos do Ted Talks, especialmente esse: Why you feel what you feel, Alan Watkins

     

    muita gente anda falando sobre a relação da internet com o usurário hoje em dia, mas é bom repetir: não é sobre quantos likes você recebe naquela foto linda, não é sobre quantos followers e comments (aqueles que não são de coração) você recebeu. nunca foi sobre eles, é sobre como você sente em relação a isso. vem de dentro pra fora. a solução está dentro de você!

  • lifestyle

    8 desafios da blogosfera para aderir

    Ou: Os projetos que fiquei muito empolgada para começar a escrever a respeito no mês de abril.

    #BEDA2

    Eu amo desafios, eles tiram as pessoas da zona de conforto e fazem elas evoluírem. Esse amor todo fez com que eu fosse viciada em novos desafios. Listei aqui os 8 desafios que vou aderir em Abril, em que cada um tem uma função (seja entretenimento ou dinamização na escrita).

    Falei sobre o que você ia encontrar aqui no bog, mas agora os assuntos tomaram mais um rumo: os desafios da blogosfera. E é claro que eu iria participar, começando pelo BEDA. BLOG EVERYDAY IN APRIL, achei que nunca mais enfrentaria um Beda depois de falhar no BEUC (blog everyday until christmas), mas cá estou eu. Desta vez não quero apenas postar todos os dias, mas – durante o próximo mês – dinamizar a produção de cada post, assim como registrar melhor esse comecinho da minha nova – doida- rotina. Uma loucura.