• aleatoriedades,  diário,  sessão online de terapia

    junho, o mês do renascimento

    [re] apreço

    [re] começo

    [re] nascimento

    aprendendo a viver a partir do zero

     

    Estava pensando sobre o quê poderia escrever antes que o post de 6on6 July viesse a tona, e diante de tantos assuntos e tantas coisas para colocar para fora do meu querido coração, achei que seria importante falar sobre o mês que restaurou minha mente.

    Junho foi aquele mês meio obscuro em que tudo parece estar um pouco nublado, chuvoso, e sem vida. Mas mesmo na chuva, ainda dá pra enxergar uns raios de sol que precedem o arco íris. Esses raios solares são a fonte de esperança para um clima quente e agradável que está prestes a chegar. É nas entrelinhas dessa metáfora toda que consegui enxergar as coisas de outra maneira.

    “Estou acostumado a ver as coisas de outra perspectiva”, o famoso mal de fotógrafo. Fiquei tão presa a essa mera “certeza” que acabei esquecendo que as coisas não permanecem as mesmas, o mundo não para de girar e não posso parar de viver. Certa vez li um texto da Maki de Mingo (desancorando) que dizia que ficamos tão focados no nosso próprio ser, nas coisas que estamos sentindo, que acabamos nos esquecendo de olhar pra fora, e isso nos impede de enxergar as maravilhas que tem por aí no mundo. E falando sério, existem muitas maravilhas por aí para serem descobertas.

    Não estudei, não me exercitei e não me dediquei a fotografia como gostaria. Fiquei por um momento presa nas minhas próprias emoções para só então entender que a minha salvação era simplesmente colocar tudo pra fora. Como? Escrevendo, pintando, fotografando, tocando, cantando. Existem tantas formas de expressar um sentimento, mas o primeiro passo é aceitar o que está emanando do seu ser, e por isso não conseguia colocar pra fora. A partir de agora me recuso a negar minha arte, me recuso a negar meu coração artista. Gostando ou não, isso faz parte de mim, e toda vez que tento “tranca-lo”, fingir que não existe, ocorre uma erupção e põe tudo a tona. #SomosTodosArtistas

    Na real, a lição mais valiosa que aprendi em toda a minha vida (que é curta) até hoje – e provavelmente vou entender outras coisas que me farão dizer o mesmo – é dar valor aos sentimentos, todos eles. Pra uma pessoa fria, analítica e admiradora dos ‘totalmente racionais’, dar valor aos sentimentos é algo difícil, e por isso mesmo que não aceito ser assim. Desafios são legais. O melhor jogo que existe é a própria vida, abandonar a missão não é uma opção.

    ler tudo de novo para editar o texto? eu não 🙂

    assinado nds, blogueirinha de 2010

    pra quem zoa todas as coisas, por quê não zoar a mim mesma?!

  • aleatoriedades,  diário,  sessão online de terapia

    decisões e diário de estudos #1

    No início desse ano (ou melhor, final do ano passado) decidi mudar de vida. Não foi como aquela simples vontade de ser mais saudável, fitness, entrar numa boa faculdade ou arrumar um bom emprego. Todo mundo tem essa vontade uma – ou sempre – vez na vida. Dessa vez foi diferente, realmente decidi que mudaria de vida, e foi aí que tudo começou. Comecei a fazer mudanças em todas as áreas da minha vida, e apesar de a mudança ser algo constante para todas as pessoas, não pensei que mudaria tanto em pouco mais de 6 meses.

    Com meus plenos 18 anos, finalmente entendi o poder das decisões ao invés de temer a presença delas no meu dia a dia. Decidi que tipo de vida queria e percebi que nunca tive pressa em alcançar as coisas, que não concordava em abrir mão de coisas que gostava para ficar horas estudando e que nós temos apenas esta vida para viver (até onde sabemos). Isso já era óbvio para muitas pessoas que conviviam comigo, mas não me importava nem um pouco com os prejuízos que teria ao fazer tantos sacrifícios em prol da aprovação.

    E sabe, dane-se o tempo, as pessoas que se gabam por já estarem na faculdade, os outros que estão mais preocupados com a sua aprovação que você mesmo. Dane-se, com todo o amor :). Escolhi viver melhor, priorizando a saúde, e claro: sempre estudando. Conhecimento não é esta limitado às páginas de um livro didático, está em cada melodia, verso de poema e até nos traços de um desenho.

    Os estudos fizeram de mim e vão continuar me fazendo uma pessoa melhor, e isso inclui colocar na minha cabeça que: mina, você não pode acabar com o seu corpo, com a sua mente e com a sua saúde por causa de uma prova tão imbecil – apesar de importante. É como se eu tivesse um bff imaginário que é a ciência, e ele me desse conselhos todos os dias. Queria muito que todas as pessoas tivessem esse best friend desses.

    Vim aqui pra escrever sobre isso porque não quero esquecer da importância que o blog tem pra mim, e a gente dá importância assim: se dedicando. Ademais, ter colocado na minha cabeça que é bom sim mudar o tempo todo, porque isso demonstra “evolução”, desenvolvimento, foi a minha salvação. Agora é muito mais fácil achar o que me faz bem, o que me ajuda a estudar (aliás, talvez minha base de estudo para o vestibular serão as questões, porque cansei de estudar teoria que já vi antes).

    Uma coisa que me ajudou demais a aceitar melhor essas mudanças que aconteciam comigo, e a lidar melhor com as bads de ser vestibulando foi a galera do instagram, os chamados studygrammers (gente que posta sobre estudos, geralmente vestibulandos) com a qual tenho compartilhado meu dia a dia, e conseguido motivação (dá pra conferir minha conta clicando aqui ou procurando @ndstudy).

    E mais um ponto importante: existem sim dificuldades, coisas ruins e impecilios, mas quem disse que vale a pena levar essas coisas em consideração? Ser realista é diferente de ser negativo e o que a gente quer é viver feliz, não ficar pensando nas coisas ruins da vida, né!? É questão de querer e decidir (mais uma vez a história sobre decisões).

     

    thanks fravo por me ensinar a ser mais feliz

     

    tem vários posts relacionados mas… preguiça de ler e linkar tudo certinho, sabe?

  • arte,  livros,  resenhando

    resenhando “noite sem fim”, de agatha christie

    _DSC0011

     

    “Toda noite e todo amanhecer

    Alguns nascem para sofrer.

    Toda manhã e todo anoitecer

    Alguns nascem para o doce prazer,

    Alguns nascem para o doce prazer, sim.

    Alguns nascem para uma noite sem fim.”

     

    Noite Sem Fim foi o primeiro livro que li da autora – muitíssimo conhecida – Agatha Christie, e provavelmente o segundo livro de suspense/investigação policial que terminei. Este foi um dos 3 livros que escolhi para ler na Maratona Literária 2018 (#MLO) organizada pelo canal Geek Freak. Esta também é a primeira vez que escrevo sobre um livro, ou seja: minha falta de conhecimento por parte desse tipo de escrita – principalmente desta categoria – me impede de discorrer muito sobre ele, mas não quer dizer que não vou tentar, porque QUE LIVRO INCRÍVEL.

     

    sobre a história, sem spoiler do desfecho

    Mike é um homem ambicioso, de família pobre, que apesar de não admitir ter essa qualidade como pessoa, declara ser alguém que está em busca de algo, de alguma coisa, tanto que se sujeitou a posição nômade-profissional, recusando-se a fixar-se em um emprego qualquer. Cita sua mãe como aquela que o conhece verdadeiramente, chegando ao ponto de assusta-lo, toda essa “cisma” faz com que ele se afaste cada vez mais da sua mãe – que tenta protege-lo.

    Certo dia, vai a um leilão de “As Torres”, terreno este que passa a cobiçar. É lá que conhece Ellie, uma das mulheres mais ricas dos estados unidos e aquela que pode ser a mulher da vida dele. Juntos, traçam uma perfeita história no terreno que almejam como casa, a casa dos sonhos. Casam-se, compram o terreno e, apesar de ouvirem histórias e avisos sobre ser o “Campo dos Ciganos” (popularmente chamado pelos habitantes da região), ignoram tais comentários e continuam uma bela vida de casados, ricos, e apaixonados.

    Ellie, se encontra numa disputa com seus outros familiares: madrasta, tios e primos, notáveis concorrentes de uma parte da herança. Apesar de ser rica, foi privada de conhecer muitas coisas, restando a Greta, eterna amiga, escudeira e governanta, a “salvação”, ou, digamos, libertação da pobre moça. Greta, a mulher que cuidava de todas as coisas para Ellie, planeja a almejada independência de Ellie quando esta atinge seus 21 anos: “compra uma casa na Inglaterra e more por lá.”. É no leilão da casa pretendida que conheceu Mike, seu então, esposo.

     

    “pobre menina rica”

    Parte de mim ainda consegue ouvi-lo dizer tais palavras, na tão bela – e suspeita – voz que criei em meu imaginário. Por mais estranho que possa parecer, ainda consigo sentir minhas mãos trêmulas depois de ter fechado o livro. Sou tão fraquinha assim mesmo ou será que estou com algum problema de tremedeira? – alô, fravo

     

    _DSC0009

     

    Essa frase é citada muitas vezes, dita pelo próprio Mike, ao comparar junto com Ellie as diferenças sociais vividas por eles. Mesmo pertencendo a diferentes classes sociais, eles não discutem sobre estas questões – a não ser quando suspeitam de alguém a espreita, desejando o dinheiro da moça. Sempre que ele falava “pobre menina rica” eu ficava me perguntando o quê raios ele queria dizer com isso, não apenas na parte rasa das privações que ela sofria por ser rica, mas, além disso… Isso é uma coisa que merece atenção – e um texto sobre.

    A típica problemática do moço pobre casando com a moça rica certamente não me surpreendeu nem um pouco, até eu saber o resto da história. Tudo acontece no período de 1 ano, e o desfecho surpreende. Se pudesse te dar um conselho sobre o livro: preste atenção nos detalhes e no comportamento dos personagens, que detém uma boa capacidade de serem engenhosos.

     

    arranhando na crítica

    Agatha escreve com tamanha genialidade capaz de te colocar dentro do contexto, acreditar na história toda, sentir o que Mike sentiu e PUM: você já está caidinho aos pés do enredo, jurando de pés juntos que tudo o que o narrador fala é verdade. Pelo menos foi assim que me senti. Caí direitinho nas manhas do Mike e no final das contas, me senti como a própria Ellie “Nosso problema, Mike, é que não vivemos no mundo real. Sonhamos com coisas fantásticas que talvez nunca aconteçam.”

     

    _DSC0012

     

    Com certeza não disse digitei nem metade do que gostaria sobre o livro, a questão das poesias musicalizadas que a Ellie tocava, o comportamento de Greta, a interessante mente de Mike… Muitas coisas podem ser discutidas sobre o livro, e isso se dá pela profundidade que cada personagem tem ao ponto de se tornarem reais. Este é um livro que me impactou, vale a pena ler.

     

    Se eu pudesse te dar um conselho para a vida, assim como Mike para Ellie, seria “nunca confie em ninguém”.

    não é sério, hehe

  • aleatoriedades,  sessão online de terapia

    efemeridades nem tão efêmeras

    Para. Senta. Respira. Você não precisa terminar isso hoje. Não precisa terminar a lista de tarefas do mês em um dia. Calma. Fecha o olho. Breath deeply. Lembra que mais do que uma máquina chamada ‘corpo humano’ há uma alma dentro de você, que precisa ter seus próprios cuidados. Vai muito além de uma lista de tarefas. De um planner. De um evento que você tem amanhã. Vai além até mesmo dos seus estudos. Da vaga no vestibular. Das fotos do job que estão pra tratar. Das tarefas a fazer. E…. No-va-men-te: Para, respira, olhe ao seu redor, lembre que ‘cara, estar viva é o suficiente’ e que você precisa se manter viva.

    Healthy lifestyle. Vida fitness. E tudo isso ainda acompanhado com o Moral Sense e a tal da ética. Não pode fazer isso. Não pode fazer aquilo. Tem que ser desse, daquele, de um outro jeito. Para. Tá errado. Tá tudo errado. Você não precisa viver segundo as regras. Só res-pi-ra.

    Mas e os livros a ler? Como vou pagar aquela conta? E o dinheiro que eu precisava para poder morar sozinha? E aquelas questões do evil que não consigo responder? E as expectativas que não consigo manter? Mas e aqueles que precisam da minha ajuda? O que será que preciso fazer? Será que tenho mesmo que me preocupar com isso tudo?

    Okay. Novamente: para. Arruma a postura na cadeira. Tira as mãos do teclado por uns segundos. Escuta o que tem dentro de você. Respira fundo e faz 5 segundos da meditação que você aprendeu naquele aplicativo legal. Lembra que assim como você, todo mundo passa por turbulências.

     

    RES

    -PI

    -RA

     

    Passou.

    Mas eu sei que vai voltar.

     

    que a escrita continue ajudando

    forever and ever

  • aleatoriedades,  sessão online de terapia

    carta para o amor da minha vida

    mini-playlist do texto: Sou movida por música. Essas são algumas que ouvi durante a escrita e que guiaram a ordem das palavras (e as que tem sentido com o contexto): Next to me – Imagine Dragons, Of Monsters And Men – Empire e Of Monsters And Men – Sloom, nessa ordem, neste link ♥

     

    Assim como muitos outros dias, hoje não está sendo fácil. E como vários outros dias, não tenho bons motivos para estar desanimada. Hoje tinha tudo para que eu me sentisse feliz e realizada, mas não é assim que me sinto. Perdoe-me se não te inseri num momento de extrema alegria, mas é de você que lembro quando não estou bem.

    Uns dizem que é bloqueio literário quando não conseguimos escrever, eu acredito que isso seja bloqueio emocional. Quando não consigo lidar com um sentimento, sinto como se minha vida estivesse congestionada. Sintomas físicos: dor de cabeça, muscular e respiração ofegante. Sintomas psíquicos/comportamentais: ansiedade contínua, falta de foco, indecisão, impossibilidade de tomada de decisões.

    Você não gosta de ouvir meus relatos repetidos sobre como me senti mal hoje, é como se você se sentisse triste ao perceber que seu primeiro conselho não foi seguido, ou não deu certo, ou não consegui fazer. E hoje venho aqui pra te dizer é você que tira todos os meus boqueios mentais, e muitas vezes não precisa nem falar nada.

    Junto com todos aqueles sintomas físicos, mentais e comportamentais, e ainda essa minha mania de tentar usar palavras difíceis para tentar aumentar meu vocabulário e para aprender a falar de um jeito mais eloquente que, sempre me atrapalha na hora de colocar pra fora meus sentimentos, vem aquela pressão que me aperta, um breve sentimento de desespero e logo após um contínuo (às vezes, abrupto) alívio derramado em uma lágrima. Por algum motivo essa coisa de chorar se tornou algo muito difícil, é como se eu estivesse segunrando há tanto tempo, que é quase impossível soltar. E talvez seja isso mesmo. Hoje não correram lágrimas dos meus olhos, apenas palavras com o movimento dos meus dedos, minhas lágrimas codificadas.

    Sei que não estou com você e que este texto só estará sendo redigido em sua mente daqui uns dias, mas o “imaginar falar com você” já foi capaz de me aliviar, assim como faz o seu abraço.

    Acreditar no nosso amor não foi algo que fiz desde o começo, você sabe, diferente de você que botou fé. E diante de tantas incertezas e inseguranças da minha vida, eu sei que você é o amor da minha vida.

     

     

    “Eu conheci um homem hoje, e ele sorriu de volta pra mim.

    Há pensamentos como este que me mantém de pé.”

    Of Monsters And Men – Sloom

     

     

    brigado, Deus, por eu ter conseguido colocar esse tantão de coisa pra fora.

     

    Este texto faz parte da categoria aleatoriedades porque veio direto do coração, ou seja: não pensei, não planejei, não me preocupei com a gramática nem concordância nem essas outras coisas que fazem parte da criação de um outro texto com tema específico. Foi espontâneo e provavelmente não passou por revisão.